Seu navegador não suporta javascript!

EPL - Empresa de Planejamento e Logística S.A.
Empresa de Planejamento e Logística S.A.

Voltar para: Página Inicial ComunicaçãoComunicação NotíciasNotícias Página InicialValor Econômico: Plano Nacional de Logística identifica as necessidades de melhorias na infraestrutura
Acesso à Informação
Institucional
Atividades Finalísticas
Legislação
Comunicação

Valor Econômico: Plano Nacional de Logística identifica as necessidades de melhorias na infraestrutura

21 de setembro de 2017

Valor Econômico: Plano Nacional de Logística identifica as necessidades de melhorias na infraestrutura

Desenvolvido pela EPL, o Plano Nacional de Logística (PNL) foi destaque no jornal Valor Econômico desta quinta-feira (21).

O plano, que prevê a necessidade de R$132,6 bilhões em investimentos para a logística, identifica melhorias a serem feitas na infraestrutura até 2025 e será colocado em consulta pública no mês de outubro.

Após receber as contribuições da sociedade, terá uma versão definitiva aprovada no fim deste ano.

Ao Valor, o diretor-presidente da EPL, José Carlos Medaglia Filho, afirmou que a intenção da empresa é revisar o plano a cada ano.

Ainda segundo Medaglia, o PNL é um legado para as próximas administrações federais e deve definir futuras concessões e prioridades na aplicação do orçamento.

“Teremos um raio-X da equação custo/benefício de cada projeto, estudos de alternativas, definição de prioridades, tudo com justificativas técnicas”, disse.

Vinculada ao Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), a EPL também busca soluções para transferir o maior número possível de estradas ao setor privado.

Henrique Pinto, secretário de Articulação de Políticas Públicas do PPI, explicou ao Valor que tal medida se deve às dificuldades orçamentárias.

“Com o PNL vamos ver como se resolve o gargalo de todas as rodovias ainda não concedidas e estudar como viabilizá-las”, afirmou Henrique Pinto. 

Na área ferroviária, o PNL também identificará gargalos que vão além das soluções já anunciadas pelo governo.

Para ler a matéria completa clique aqui